Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Adolescente de 17 anos, morreu após dar à luz um bebê maior do que o esperado – inquérito negligência

Hoje, um inquérito foi informado de que, de acordo com as diretrizes do parto seguro,  Teegan Barnard poderia ter tido um trabalho de parto induzido com 38 semanas – três semanas antes de ela finalmente dar à luz – mas não ocorreu pela falta de cuidado da equipe do Hospital St Richard’s em Chichester, West Sussex, em 7 de setembro de 2019.

Teegan teve alta hospitalar para passar seus últimos dias na casa da família vindo a óbito
Teegan e seu bebê Parker

Em vez disso, o filho de Teegan cresceu e “em retrospecto, isso teria contribuído para o risco de hemorragia pós-parto”, disseram os investigadores.

 

Debbie Laing, líder da equipe de investigações da maternidade do HSIB, disse que o bebê “teria sido menor” se Teegan tivesse sido informada e concordasse em induzir o parto na 38ª semana.

 

Leia também: 

 

“Essa é a única coisa que pode ter tido um efeito causal no resultado”, afirmou Laing.

Ela acrescentou: “O significado é que o bebê teve a oportunidade de crescer e aumentar o risco de hemorragia pós-parto.

 

“Podemos dizer que teria sido a melhor prática oferecer a indução mais cedo.”

 

Teegan Barnard , 17, sofreu uma parada cardíaca duas horas depois de dar à luz, teve uma obstrução durante o parto com o bebê “maior do que o esperado”,  quando a criança não consegue sair da pelve, teve danos cerebrais e perdeu quase quatro litros de sangue após o nascimento da criança de quatro quilos e meio por meio de uma cesariana em 2019, segundo inquérito.

 

Teegan morreu em sua casa em Havant, Hants, quatro semanas depois.